Publicidade

Acesso rápido

Usando seu smsrtphone como um substituto do Pc

Postado por Guilherme Batista, em 05/09/2013

Nenhum comentário:
Então você quer mergulhar fundo no mundo da mobilidade, e deseja ardentemente usar seu smartphone como computador? Meus parabéns pela iniciativa! Atualmente, smartphones são quase tão bons quanto desktops e notebooks dedicados. "Quase", com algumas ressalvas:
- dependendo do seu emprego, isso não será tão simples. Designers podem criar seus rascunhos em um Galaxy Note 2, mas será difícil finalizar um job nesses aparelhos. Jornalistas podem produzir seus trabalhos no mobile sem maiores problemas, bem como outros profissionais que criam conteúdo. Gerentes e outros profissionais que administram irão amar poder ter um desktop portátil no café, e que não dependa o tempo todo de tomada. E por aí vai...
- Você vai precisar de um tempo maior para se adaptar a nova interface e saber até onde esee "computador vai"
- a compatibilidade dos arquivos com outros computadores não é 100%.
- Apesar do hardware dos celulares ter especificações semelhante as de alguns computadores de 2007, ele é limitado. O processamento é muito menor em relação a uma workstation, então não reclame se o celular travar na hora de abrir uma planilha gigantesca.
Posto isso tudo, você vai precisar de algumas coisas, começando pelo mais simples:


Dock station com pelo menos duas portas USB  e uma porta HDMI, pelo menos.
Dessa forma temos um jeito mais rápido de transformar o celular em um computador. Com as portas usb extras, você pode conectar um teclado, um mouse, um pendrive... quase qualquer periférico USB na verdade. A porta HDMI é para espelhar a tela do celular.

Caso não exista uma dock desse tipo pro seu smartphone, você vai precisar desses itens:

Cabo adaptador de USB
Para fazer uso de pendrives

Leitor de cartão de memória
Essa daqui é para galera do iOs. Faz a mesma coisa que o cabo adaptador de usb

Mouse e/ou teclado bluetooth
Bluetooth é uma tecnologia maravilhosa, que faz uma conexão universal em varios computadores. É quase uma USB do mundo wi fi. O mouse é quase dispensável, mas em alguns casos você precisa de mais precisão. Ainda assim, o teclado é extremamente necessário: digitar em teclado físico ainda é mais rápido que pela tela touchscreen. Essa dica do teclado é totalmente dispensável se o seu smartphone possui um teclado físico próprio.

Dicas gerais:
-Tenha certeza que você tem todos os aplicativos instalados e configurados. Emails, media players, programas de office, e programas de compartilhamento (Dropbox, por exemplo)
- Você deve ter um serviço de internet disponível, ou deixar o celular conectado a uma rede wi-fi.
- Carregadores, cabo USB e baterias extras devem andar com você na sua pasta
- Casos extremos pedem que você tenha um computador por perto, ou, ao menos, um em que você possa se conectar. Você não precisa carregar ele consigo; em geral, uma simples conexão pelo LogmeIn ou pelo TeamViewer já resolve

Posto isso, é só curtir o seu pc-cel ;)

*"PC" = personal computer. Tecnicamente seu smartphone já é um PC.

Guia de compras natal: smartphones [Topos de linha]

Nenhum comentário:
Esta na dúvida sobre qual presente dar para o povo? Quer dar um smartphone pra sua namorada, seus familiares, mas não faz a menor ideia do que comprar? Vem comigo que eu te ajudo :D. Os presentes estão classificados por preço. Foram considerados apenas aparelhos homologados pela ANATEL (e, portanto, tem autorização para funcionar em todo território nacional) e que são vendidos legalmente no Brasil. Foi considerado a faixa de valor de R$1200 a R$3000. 

iPhone 5 (a partir de R$2399 no site da Apple, preços podem chegar até R$3000)
O iPhone 5 possui como principais vantagens a estabilidade do sistema, a larga oferta de aplicativos, a garantia de funcionamento do smartphone e a segurança de seus aplicativos. E tem um alto índice de satisfação de seus usuários, além da larga oferta de acessórios para os iPhones. E se você é um heavy-user de hardware da Apple, tem garantia de total integração com seus outros aparelhos. De todos os aparelhos, é o único que consegue lidar corretamente com a biblioteca de músicas. As principais desvantagens são a falta de atualizações relevantes do sistema (até a publicação desse post, o iOS 7 não havia sido lançado), a impossibilidade de usar cartões de memória e a dependência constante do iTunes, que em computadores com Windows é lento, e não existe versão do programa para usuários de linux. No caso das antenas, isso é relativo: existem tantas variáveis na recepção de sinal, que todos os aparelhos no mundo podem ser afetados. Quanto a falta de 4G, isso não afeta tanto assim o uso em geral - o 4G brasileiro ainda está em implementação, não segue nem um padrão internacional. E de todos os smartphones aqui listados, é o único sem NFC (o que não é uma desvantagem, mas cabe ressaltar). A bateria não é removível.

Samsung Galaxy S4 (a partir de R$ 1999,00. Pode ser encontrado em preços  menores em promoções constantemente)
A vedete do momento, possui larga adoção por parte dos usuários comuns (e até de alguns geeks). Ganha em todos os pontos que o iPhone falha: possui forte integração com a nuvem, aceita cartão de memória, possui uma versão com 4g brasileiro, e não tem dependência com nenhum programa no computador. A oferta de aplicativos é tão numerosa quanto a do iPhone, com a vantagem de existir mais apps gratuitas que no iPhone. A personalização do sistema é bom, e seu hardware é descente: processador quad core de 1.6ghz, 2gb de ram, camera traseira de 13 megapixels e otimização de fotos pela Samsung. A bateria é removível, mas não possui hot-swap. Sua principal desvantagem é a tela: apesar de a Super AMOLED ter excelentes cores e ótimos ângulos de visão, fica quase invisível debaixo de sol (ou de luz forte). Isso torna o celular quase impossível se ser utilizado em ambientes abertos. A construção . O tamanho da tela pode ser ruim para várias pessoas, principalmente para aquelas de mãos pequenas. E o preço é proibitivo no Brasil (porém é mais em conta que um iPhone)

Samsung Galaxy Note 2 (Preço a partir de R$ 1200, indo até R$2300)
Lançado em Agosto de 2012, é considerado até hoje um bom smartphone. Tem especificações iguais às do S4, com excessão das câmeras: 8 megapixel traseira e 1.9 megapixel na frontal (quanta diferença na câmera frontal, não?). O celular possui transições fluidas, e é rápido para tirar fotos. Coisa de 2 segundos para abrir a câmera e 0.2 segundos para tirar a foto após o clique do obturador. A tela possui a mesma tecnologia do S4, mas é enorme: 5.5 polegadas. Minha namorada, que tem mãos petit, mal consegue usar o bicho.
Mas o grande forte do celular é a caneta. Possui tecnologia da Wacom, reconhecimento de pressão, etc. É ótima para trabalhos visuais: já consegui fazer edição de fotos, desenhos, rascunho de infográfico, ideário e edições de vídeo simples. Acredito que para executivos ela tenha utilidade também. E já testei programas de desenho 3D, sem muito sucesso, por falta de experiência minha. Só a canetinha já vale todo o dinheiro gasto na compra de um aparelho novo. A bateria merece destaque também: 3100 mAh, e é removível. Dura muito, mesmo. Também aceita cartão de memória.
As desvantagens são as mesmas do Galaxy S4, com ressalva de que a tela é muito maior. Você provavelmente vai precisar de uma capinha para manter a tela intacta.

Nokia Lumia 920 (a partir de R$ 1500)
O carro chefe do Windows Phone em terras brasilis. Possui atualmente a melhor câmera, de 8 megapixels, que você pode encontrar em um smartphone; apesar de esta não possuir o sistema Pure View (da própria Nokia), possui algumas features dele, e também tem botão de fotos dedicado. Outra vantagem do Lumia 920 é o sistema de mapas (usa os Mapas da Nokia, o melhor sistema de mapas que já testei) e a rapidez e fluência do sistema como um todo: você pode tirar fotos e publicá-las no Facebook com muito mais facilidade que em qualquer outro sistema. Nativamente, o Windows Phone tem maior integração com as redes sociais (foi desenhado pra isso). Outra vantagem do Windows Phone, como um todo, é a larga integração com outras mídias (Xbox, computadores com Windows). A tela possui visibilidade debaixo do sol, e o smartphone tem suporte ao 4G brasileiro. Algumas das desvantagens do Lumia, bem como a de qualquer Windows Phone, é a oferta de apps; é baixa, e dificilmente você encontra as mesmas apps que saem para iOs e Android. Pelo menos não no mesmo tempo em que estas são lançadas. Outro problema é a falta de espaço: apesar de possuir 32gb de HD, não possui acesso para cartão de expansão de memória.  Como ocorre no iOs, possui forte dependência de um software para gerenciar seu sistema no computador (o Zune), e não possui tanta integração com a nuvem como os outros sistemas. A personalização aqui também é fraca: algumas cores, grupos de tiles e... só. Também não possui widgets e tãopouco facilidades de troca de configurações. A bateria não é removível.

Sony Xperia ZQ (a partir de R$1400 )
Eu tenho um excelente histórico com um celular da Sony (um k550i, ô saudade desse aparelho). Este aparelho possui um hardware mais atualizado de todos: Snapdragon S4 Pro, processador quad core de 1,5ghz e 2g de RAM. Em termos de performance, só perde mesmo para o S4. Tem todas as vantagens que um Android pode oferecer: forte personalização do sistema, e total liberdade de instalação de aplicativos de terceiros. Pelo DNA da Sony, possui a tecnologia da linha Sony Bravia, incluindo cores mais vivas. Pelo NFC, possui integração com as Smart Tags da Sony (uma espécie de adesivo que pode fazer várias coisinhas úteis nos aparelhos que ele estiver conectado). Graças a personalização da Sony, o sistema tem mais integração com as redes sociais ( = Facebook e Twitter). Devido ao expertise da Sony, é o segundo melhor smartphone para músicas no mundo (perde apenas para a Apple), porém com mais liberdade de formatos que a Apple. A câmera é de 13 megaíxels, mas não é tão boa quanto a do Lumia 920; é apenas boa. Também possui botão dedicado para a câmera, como o Lumia 920. Uma de suas melhores customizações é o modo Stamina: uma alteração no software que desliga o uso de dados com a tela desligada (e que permite você liberar alguma app que possa ativar os dados). Suas desvantagens são o tamanho do celular (5 polegadas), ruim para algumas pessoas e o ângulo de visão precário. É o aparelho mais grosso de todos aqui, o que pode causar incômodos no bolso. A bateria não é removível. E temos um problema com o botão de power: ele fica no meio da lateral direita. O preço é outro ponto negativo: pelo preço que é cobrado, ele é apenas um aparelho regular, sem nada que o diferencie do S4 ou do iPhone. E, por último, a câmera frontal recebeu muitas críticas pela posição em que se encontra.




Da pequenes humana

Postado por Guilherme Batista, em 01/09/2013

Nenhum comentário:

Existem varios aspectos do ser humano que são capazes de assustar qualquer um, mas um deles parece-me ser mais frequente nos últimos tempos:  a incapacidade de enxergar dois palmos a frente do nariz. E não é a miopia, é a pequenes intelectal, moral e espiritual.

Intelectual nem tanto. Pessoas são diferentes e possuem cerebros diferentes, e costumamos moldar nossa inteligência para aquilo que temos mais afinidade. Não dá pra exigir do Einsten que ele crie a Teoria da Relatividade e tenha a mesma capacidade de sociabilização do Lula, por exemplo. Assim como você não pega um designer e coloca ele para trabalhar com programação, ou um coloca um gerente de projetos para tocar a cozinha de um restaurante.

O problema mesmo é a insuficiencia moral e espiritual. Atitudes que fazem você questionar seriamente a moral de uma pessoa, ou o quão elevado é o seu padrão espiritual, o quão menos danoso você é para a sociedade a sua volta. A intelectual você ainda consegue mudar ao longo da vida, mas essas duas, só na base do trauma.

Pobreza moral e espiritual caminham juntas, e pelo menos para mim, são fáceis de identificar. Geralmente com meia hora de conversa com um cidadão você consegue perceber isso:

"- Meeeeu, não entendo como ele consegue viver sendo tão gordo! Que horror a vida dele com essa gordice toda"
Quer dizer, ninguém fica gordo na vida, né? Ou tem problemas de tireóide. Ou engordou pela depressão. Ou nasceu assim.

"- Nossa senhora quanta gente feia aqui, meu deus que horror"
Obviamente que beleza é relativa, e você pode ser tão feio que nem se deu conta disso ainda. Você é feio, nem que seja em marte, mas é.

"- Cliente bom é aquele aí que vem aqui toda semana, com uma mulher diferente. Não esses daí"
O "esses daí" estão apenas com uma roupinha mais ou menos. Mas pagam o que consomem honestamente, e ainda elogiam o lugar. O outro? Sabe-se lá a vida que leva, quiçá nem é tão boa assim.

"- Ow tenta convencer ele a emagrecer, entrar numa academia, fazer dieta, senão vai ficar gordo enoooorme"
Como se gordura fosse crime. E naquelas: não importa se o outro tem graduação na área mais difícil do mundo, descobriu uma aplicação foda para um simples brinquedo e é um gênio incompreendido: ele é gordo e deve ser curado disso.

"- Hihihihihihi ele é gay enrustido vou zuar ele hahahhahah como é divertido ser eu"
Essa foi demais. Eu escutei essa de um gay mesmo. E o alvo em questão foi efetivamente zoado por ele. Não consigo imaginar por qual outro motivo, senão o de pobreza moral: "fui zoado quando era enrustido, vou zoar ele agora pra ele aprender"

"- Você que é a mulher aqui. Vá lavar a louça e fazer a comida"
E, óbvio, no dia em que o cidadão ficar sozinho, morre de fome, por que não sabe nem mesmo cozinhar um ovo.

Pobreza moral e espiritual.

Esse tipo de coisa me faz me distanciar de muuuuuita gente. Pessoas assim são nocivas a mim, me dão preguiça de gastar saliva com elas. Por que raios eu vou tentar convencer alguém de algo? A maioria das pessoas do meu círculo social tem mais de 18 anos, alfabetizadas e com acesso a um mundo enorme de conhecimento, a internet. Mas parecem fadadas a repetir os mesmos erros dos pais, ou as vezes até piorar esses erros. Parecem incapazes de olhar para uma atitude própria e questionarem: "isso faz bem pra mim E para o outro?".

Aprendi a fazer isso desde pequeno, com uns livros de filosofia que tinha em casa. Erro, sim, mas naquelas: reconheço meu erro e nunca mais o repito.

Azar de muita gente não ser assim

ACESSO RÁPIDO

STAY IN TOUCH

COPYRIGHT Guilherme Batista

Todos direitos reservados